Ir para Conteúdo

Truck on road next to palm oil fruit collection point

Usando a colaboração coletiva para uma cadeia mais transparente

Com a ajuda de nosso parceiro Premise e usuários locais com smartphones, podemos obter uma visão mais completa de nossa cadeia de fornecimento de óleo de palma, desde a plantação até o produto final.

Para garantir uma cadeia de fornecimento livre de desmatamento, precisamos ser capazes de rastrear nossos ingredientes até onde eles são cultivados. Para um produto como o óleo de palma, o primeiro quilômetro da plantação ou fazenda onde os frutos do óleo de palma – também chamados de cachos de frutos frescos (CFF) – são colhidos, até o ponto onde são processados, geralmente é onde precisamos de mais visibilidade.

Rastrear o que acontece nesse primeiro quilômetro crítico nem sempre é tão simples. Convencionalmente, as empresas traçaram um raio de 50 km ao redor das usinas em sua cadeia de fornecimento e assumiram que as fazendas ou plantações nessas áreas provavelmente forneceriam às usinas. Os CFF precisam ser processados dentro de 24 horas após a colheita, por isso foi amplamente aceito que as usinas seriam responsáveis por esse processamento para as fazendas próximas.

No entanto, dada a complexidade das cadeias de fornecimento de óleo de palma, acreditamos que a forma como monitoramos isso precisa ser melhorada para que possamos verificar que nosso fornecimento não está vinculado ao desmatamento.

Sabemos que, enquanto alguns produtos vão direto da fazenda para a usina, às vezes o fruto do óleo de palma é comercializado através de um intermediário, com os cachos de frutos frescos sendo deixados e recolhidos em pontos de coleta informais. Esses pontos de coleta podem estar longe de onde o fruto foi cultivado, tornando mais difícil determinar se o fruto foi produzido de forma sustentável ou não sem dados concretos.

Mas agora, trabalhando com nosso parceiro Premise, estamos criando uma comunidade de pessoas locais na Indonésia que nos ajudará a rastrear o fruto desde o ponto de origem até o processamento.

Colocando o poder nas mãos das pessoas

Nosso piloto recruta fornecedores e trabalhadores das usinas para fornecer fotos e informações sobre pontos de coleta e rampas através da plataforma digital de crowdsourcing da Premise. Os colaboradores são ensinados, através da plataforma da Premise, a coletar informações de uma maneira que respeite as leis de pessoas e propriedades e de acordo com os regulamentos da Indonésia.

A Premise analisa o material de origem através de seu sistema de controle de qualidade com inteligência artificial para verificar a credibilidade das fotos e garantir que os pontos de coleta não sejam contados duas vezes. Isso nos ajuda a construir uma imagem melhor de partes anteriormente não documentadas da cadeia de fornecimento de palma que operam na área.

Na província de Aceh, em Sumatra, Indonésia, onde realizamos o piloto, conseguimos identificar e documentar mais de 5.000 pontos de coleta em uma única região. Isso nos dá uma compreensão muito mais informada de onde o óleo de palma fornecido a nós está sendo cultivado.

Podemos integrar isso com o restante de nossas informações de fornecimento, unindo os pontos para uma visão mais completa de nossa cadeia de fornecimento e permitindo que tomemos ações mais direcionadas para melhorá-la – seja oferecendo mais suporte para pequenos produtores ou iniciando novas conversas com nossos fornecedores.

Um esforço unido em grande escala

Estamos agora desenvolvendo um modelo para ampliar o projeto, que incluirá o convite a fornecedores e outras empresas de bens de consumo para participar.

“Indivíduos, seja como consumidores ou como parte de uma organização, muitas vezes podem se sentir impotentes diante de desafios como o desmatamento ou mudanças climáticas. Nossa parceria com a Premise está mudando isso, convidando pessoas em campo para nos ajudar a seguir a jornada que as matérias-primas fazem no primeiro quilômetro da cadeia de fornecimento”, diz Andrew Wilcox, Gerente Sênior de Fornecimento Sustentável e Programas Digitais da Unilever.

“Acreditamos que nosso piloto em Aceh é o primeiro caso mundial de tecnologia de crowdsourcing em grande escala sendo aplicada ao fornecimento de commodities. A tecnologia é um poderoso capacitador para a rastreabilidade e transparência da cadeia de fornecimento, e o crowdsourcing e as parcerias são essenciais para desenvolver as capacidades que a Unilever e o mundo precisam urgentemente para combater o desmatamento”.