Ir para Conteúdo

Image of cauliflower in a bowl full of vegetables.

Como nossas marcas estão causando um grande impacto na nutrição

Novas pesquisas confirmam que uma dieta vegetariana pode fornecer todos os nutrientes de que precisamos com um pouco de ajuda e visão de futuro.

De melhorar nossa saúde a reduzir os gases de efeito estufa, os benefícios de uma dieta vegetariana são bem conhecidos. Mas podemos realmente obter toda a nutrição de que precisamos sem carne animal ou laticínios?

Historicamente, essa questão apresentou uma barreira à alimentação vegetariana para muitas pessoas. Agora, no entanto, graças às novas pesquisas realizadas pela cientista líder da Unilever, Ans Eilander, e pela especialista em nutrição Nicole Neufingerl, podemos ter algumas respostas.

Sua nova pesquisa científica fornece a primeira visão geral sistemática (analisando a energia, os macro e micronutrientes em um estudo) dos benefícios e inadequações nutricionais de uma ampla variedade de dietas, variando de veganas a à base de carne, e, consequentemente, oferece informações valiosas sobre as necessidades futuras e os desejos dos consumidores.

“Com os resultados desta pesquisa, podemos desempenhar um papel importante na promoção de uma alimentação vegetariana nutritiva e levando à alimentos vegetais mais diversos e ricos em nutrientes através da educação do consumidor, fortificação de alimentos e possivelmente suplementação”, diz Ans.

Insights inesperados

O relatório mostrou que, em geral, as dietas vegetarianas são mais ricas em fibras, ácidos graxos poli-insaturados (gorduras saudáveis), folato, vitamina C, vitamina E e magnésio do que dietas à base de carne. A ingestão de proteínas também foi menor nas dietas vegetarianas, embora ainda dentro dos níveis de ingestão recomendados. No entanto, as dietas à base de carne foram geralmente mais ricas em ferro, zinco, iodo e vitamina B12, EPA e DHA.

Mas o que talvez tenha sido mais surpreendente foi a revelação de que em todos os padrões alimentares – dos veganos aos carnívoros – havia o risco de ingestão inadequada de alguns nutrientes.

“Em todos os tipos de dietas estudadas, variando das dietas à base de carne às veganas, descobrimos que as pessoas não estão consumindo uma variedade suficiente de alimentos para obter todos os nutrientes de que precisam”, diz Ans. “Isso destaca a importância de educar os consumidores sobre o papel vital que diferentes grupos de alimentos desempenham em sua dieta”.

Tornando a dieta vegetariana acessível

Ans acredita que a indústria de alimentos e bebidas tem um papel importante a desempenhar não apenas para ajudar as pessoas a fazer a transição para dietas vegetarianas mais saudáveis, mas também para garantir que elas obtenham os nutrientes de que precisam. “A educação do consumidor é fundamental para promover uma dieta diversificada e rica em nutrientes, incorporando mais alimentos vegetais”, diz ela.

O programa Future 50 Foods (Os 50 Alimentos do Futuro) da Unilever, por exemplo, lançado pela Knorr e pelo WWF, visa inspirar e ajudar as pessoas a ter acesso e comer uma variedade maior de alimentos vegetais altamente nutritivos e benéficos ao planeta. Da mesma forma, as receitas Better for You (Melhor para Você) da Hellmann's sugerem maneiras fáceis de incorporar mais alimentos vegetais nas refeições diárias.

Ideias de receitas na embalagem, como a Lentilha à Bolonhesa da Knorr, também estão ajudando a promover trocas nutritivas por ingredientes vegetais, embora Ans seja rápida em apontar que o objetivo é sempre facilitar e não forçar a mudança na dieta dos consumidores.

“Não cabe a nós decidir para as pessoas o que elas querem comer, mas cabe a nós tornar as opções vegetarianas mais saudáveis acessíveis a todos”, explica ela.

Ajudando as pessoas a potencializar seus alimentos

Para isso, em 2020, a Unilever se comprometeu a ajudar as pessoas a fazer a transição para uma alimentação vegetariana que seja mais saudável para elas e para o planeta através de seu compromisso com o programa Future Foods. A empresa se comprometeu a atingir uma meta anual de vendas de alimentos vegetais de €1 bilhão, para aumentar suas alternativas às dietas à base de carne e laticínios e dobrar o número de produtos com nutrientes positivos até 2025.

“Quando se trata de fornecer nutrição positiva em nossos produtos, a fortificação de nossos produtos vegetais alternativos às dietas à base de carne é uma maneira de cumprir isso”, diz Ans. “Por exemplo, o hambúrguer cru vegano The Vegetarian Butcher é enriquecido com vitamina B12 e ferro”.

E o hambúrguer vegano é apenas um dos alimentos fortificados no menu da Unilever. De fato, até o final de 2022, 200 bilhões de porções de produtos da Unilever conterão pelo menos um micronutriente essencial, como iodo, ferro, zinco e vitamina A ou D.

Trabalhando para garantir o futuro da alimentação

Mas não são apenas os produtos alimentícios existentes que estão causando um grande impacto nutricional à dieta vegetariana. Na Hive, o centro de inovação de alimentos da Unilever na Holanda, novas fontes de alimentos altamente nutritivos são constantemente exploradas.

“Quer se trate de microalgas ricas em antioxidantes, vitaminas, minerais e ácidos graxos essenciais ou cogumelos ricos em proteínas, o objetivo é o mesmo – tornar o futuro alimento adequado, que seja bom para nós e para o planeta”, diz Manfred Aben, Vice-Presidente Global de Ciência & Tecnologia, para Alimentos e Bebidas na Unilever.