Plano de Sustentabilidade da Unilever para

Gases do efeito estufa

Para ajudar a combater a mudança climática, definimos a nova e ambiciosa meta de gerar um saldo positivo de carbono em nossas operações até 2030.

Homem enchendo a máquina de lavar

É necessária uma ação urgente para combater a mudança climática.

Em novembro de 2015, anunciamos que até 2030 teremos saldo positivo de carbono em nossas operações. Até 2030, captaremos 100% da energia usada em nossas operações a partir de fontes renováveis, e geraremos mais energia renovável do que consumimos. 

Também estamos trabalhando para baixar o impacto dos gases do efeito estufa gerados pelas nossas atividades de obtenção, fabricação e inovação, bem como para aprofundar nossos esforços para eliminar o desmatamento gerado em nossas cadeias de fornecimento.

Objetivos e desempenho

Temos um ambicioso compromisso de reduzir em 50% os gases do efeito estufa associados ao uso dos nossos produtos pelo consumidor na nossa cadeia de valor.

GASES DO EFEITO ESTUFA

O nosso compromisso

Reduzir à metade o impacto dos gases do efeito estufa durante o ciclo de vida de nossos produtos até 2030.1

O NOSSO DESEMPENHO

Em 2015, nosso impacto de gases do efeito estufa por uso do consumidor aumentou em cerca de 6% desde 2010.

A NOSSA PERSPECTIVA

O impacto dos gases do efeito estufa provenientes do nosso processo de fabricação continua caindo. Em 2015, nossas fábricas reduziram o CO2 proveniente da energia em 39% por tonelada de produção, em comparação a 2008. 

Ainda assim, o impacto dos nossos produtos nos gases do efeito estufa aumentou em 6% desde 2010. O crescimento subjacente das vendas no mesmo período foi de 26%. Portanto, é animador ver que, de fato, estamos dissociando o impacto dos gases do efeito estufa da nossa cadeia de valor e nosso crescimento comercial.

Até o final de 2015, havíamos reduzido em 90% o uso global de fosfatos em nossos sabões em pó. Isso baixou as emissões de gases do efeito estufa em até 50% por uso do consumidor.

No entanto, o aumento das emissões de gases do efeito estufa por uso do consumidor é gerado principalmente pelas divisões de Cuidados Pessoais que, graças a aquisições, expandiram os setores de produtos para cabelos e banho. Mais de 60% da pegada de gases do efeito estufa da nossa cadeia de valor vem do uso do consumidor, principalmente da água aquecida para o banho, fator que é mais difícil de influenciarmos. Portanto, percebemos que não alcançaremos nossa meta até 2020.

No entanto, continuamos comprometidos com uma abordagem completa da cadeia de valor e com a dissociação entre nosso impacto nos gases do efeito estufa e nosso crescimento, uma vez que tal abordagem integral reflete mais significativamente o verdadeiro impacto da nossa empresa.

Desde que lançamos nosso Plano em 2010, aprendemos muito sobre quais áreas podemos influenciar e quais não podemos, e quais áreas precisam de uma ação mais ampla proveniente de outras partes, especialmente a necessidade de que os consumidores adotem energias renováveis. Como resultado desse aprendizado, em 2015, adequamos nossa estratégia e refinamos nossas metas. 

Decidimos estender para 2030 o nosso compromisso de reduzir os gases do efeito estufa à metade. Três dos nossos objetivos de base2 repetem as ações que estamos adotando como parte dessa meta de redução em 50%. Por isso, decidimos reportar o progresso nesses objetivos dentro da meta de redução à metade, não separadamente. 

Também definimos novas metas para obtenção de "saldo positivo de carbono" em nossas operações até 2030. Isso inclui a captação de 100% da nossa energia total a partir de fontes renováveis até 2030 e a disponibilização da energia renovável excedente para os mercados e comunidades nos quais operamos.

Também estamos procurando criar uma mudança transformacional. Em 2015, pouco antes da conferência da ONU sobre a Mudança Climática em Paris (COP21), a Unilever participou do chamado do B Team para zerar as emissões líquidas de gases do efeito estufa até 2050, no mundo todo.

1As nossas metas ambientais são expressas com base em dados de referência de 2010, conforme calculados em dezembro de 2015 e considerando o "uso por consumidor". Isto significa uma única utilização, porção ou serventia de um produto.

2 Redução dos gases do efeito estufa durante lavagem e banho; concentração e compactação de produtos; e lavagem em temperaturas menores/dosagem correta de detergentes.

Verificação independente da PwC.

  • Alcançado: 3
  • Dentro do plano: 8
  • Fora do plano: 1
  • %% do objetivo alcançado: 0

Nossos objetivos

Consulte Verificação independente (em inglês) para obter mais detalhes sobre nosso programa de verificação do Plano de Sustentabilidade da Unilever.

OBTER SALDO POSITIVO DE CARBONO NA FABRICAÇÃO

  • Até 2020, as emissões de CO2 provenientes da energia de nossas fábricas estarão iguais ou abaixo dos níveis de 2008, apesar dos volumes significativamente mais elevados.

Isto representa uma redução de cerca de 40% por tonelada de produção.

Em comparação aos dados de referência de 1995, isto representa uma redução de 63% por tonelada de produção e uma redução absoluta de 43%.

Até 2030, teremos saldo positivo de carbono em nossas operações:

  • até essa data, captaremos 100% da energia usada em nossas operações a partir de fontes renováveis.
    Nova meta de 2015*
  • Até 2020, captaremos toda a eletricidade comprada da malha energética a partir de fontes renováveis.
    Nova meta de 2015
  • Eliminaremos o carvão da nossa matriz energética até 2020.
    Nova meta de 2015
  • A fim de alcançar nossa meta de gerar um saldo positivo de carbono até 2030, pretendemos dar apoio direto à geração de mais energia renovável do que consumimos e disponibilizaremos a energia excedente para os mercados e comunidades nos quais operamos.
    Nova meta de 2015
  • Será objetivo de todas as fábricas recém-construídas ter menos da metade do impacto das fábricas dos dados de referência de 2008.

1.015.000 toneladas a menos de CO2 provenientes da energia produzida em 2015, em comparação a 2008 (uma redução de 39% por tonelada de produção).

Comparativamente aos valores de 1995, isto representa uma redução de 65% em termos absolutos.

No final de 2015, as energias renováveis contribuíram em 28% para o nosso uso total de energia, em comparação ao índice de 15,8% de 2008.

Informaremos sobre esta meta em nosso Relatório Vida Sustentável de 2016.

Informaremos sobre essa meta em nosso Relatório Vida Sustentável de 2016.

Informaremos sobre essa meta em nosso Relatório Vida Sustentável de 2016.

Novas fábricas na China, Indonésia, África do Sul e nos EUA iniciaram a produção em 2015. Quando estiverem em plena operação, cada uma delas pretende alcançar somente metade das emissões de CO2 provenientes de energia, em comparação à linha de referência de 2008.

A NOSSA PERSPECTIVA

Em 2015, reduzimos as emissões de CO2 originárias de energia em 4% por tonelada de produção em comparação a 2014, o que demonstra um consistente progresso rumo à nossa meta de 2020.

Também reduzimos as emissões absolutas em comparação a 2014. Nossa redução absoluta de 1.015.000† toneladas permanece significativamente abaixo da nossa linha de referência de 2008.

Continuamos reduzindo o uso de energia: em 4,4% por tonelada de produção em 2015 e em 23% desde 2008.

Em 2015, anunciamos uma nova meta de "saldo positivo de carbono", através da qual iremos: captar toda a eletricidade comprada da malha energética a partir de fontes renováveis, até 2020; eliminar o carvão da nossa matriz energética, até 2020; e captar 100% da energia em todas as operações de fabricação junto a fontes renováveis de energia, até 2030. 

Isso substitui nossa meta anterior que era captar 40% da energia das nossas operações a partir de fontes renováveis, até 2020. Todas as nossas unidades na Europa, nos EUA e no Canadá compram eletricidade da malha energética de fontes renováveis certificadas; em 2015, as fontes renováveis atenderam a 28% das nossas necessidades energéticas globais.

*Nossa nova meta substitui nossa meta anterior que era, até 2020, captar 40% da energia das nossas operações a partir de fontes renováveis.

Verificação independente da PwC

REDUZIR AS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROVENIENTES DA LAVAGEM DE ROUPAS

Reformular nossos produtos para reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 15% até 2012

Mais de 95% (por volume) de nossos sabões em pó nos nossos 14 principais países foram reformulados, alcançando uma redução de 15% nas emissões de gases do efeito estufa até o final de 20121.

.Continuamos essa reformulação otimizando o uso de matérias-primas em sabões em pó e cápsulas, e aperfeiçoando nossa fabricação.

A NOSSA PERSPECTIVA

Os detergentes líquidos para roupas têm uma pegada de gases do efeito estufa inferior à dos sabões em pó. Estamos promovendo o desenvolvimento do mercado por meio dos líquidos: onde são disponibilizados sabões em pó, em barra e líquidos, os líquidos apresentam crescimento mais rápido. 

Atualmente, muitos dos nossos sabões líquidos são vendidos na forma concentrada. Eles também apresentam excelente desempenho de limpeza em temperaturas mais baixas.

Além disso, estamos aumentando o número de lavagens com dosagem única, na forma de cápsulas; isso significa que os consumidores não usarão uma dosagem excessiva nem insuficiente.

Seguimos liderando a indústria no desenvolvimento de sabões em pó de menor impacto, removendo ou reduzindo fosfato e zeólito – os principais componentes com alto impacto nos gases do efeito estufa. Nós agora atingimos uma redução de 90% no uso global de fosfatos em nossos sabões em pó, o que resulta em uma diminuição de até 50% nas emissões de gases do efeito estufa, por única utilização do consumidor. 

A fim de reduzir as emissões, também estamos melhorando nossas embalagens, tornando-as leves e usando pacotes de refil.

1 Na verificação desta meta conduzida pela PwC (publicada em março de 2014), foi possível averiguar que reduzimos os gases do efeito estufa em 7% em nossos produtos de lavagem de roupa, com base nos dados de referência automatizados de 2010. No entanto, a PwC não analisou os dados do período 2008-2009, quando ocorreu uma parte considerável desta reformulação que permitiu que chegássemos a 15% até o fim de 2012.

REDUZIR AS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROVENIENTES DO TRANSPORTE

Até 2020, as emissões de CO2 provenientes da nossa rede logística global estarão nos níveis de 2010 ou abaixo, apesar dos volumes significativamente mais elevados. Isso irá representar uma melhoria de 40% na eficiência de CO2.

Para alcançar esta redução, diminuiremos a quilometragem dos caminhões, usaremos veículos com emissões mais baixas, recorreremos a meios de transporte alternativos, como transporte ferroviário ou marítimo e melhoraremos a eficiência energética de nossos depósitos.

Melhoria de 22% na eficiência de CO2 desde 2010. Melhoria de 0,7% na eficiência de CO2 e aumento de 0,2% em termos absolutos em 2015, em comparação com 2014.

A NOSSA PERSPECTIVA

Embora tenhamos obtido uma melhoria de 22% na eficiência de CO2 desde 2010, tivemos pouco progresso durante o ano de 2015.

Enfrentamos muitos desafios em 2015, e o cumprimento do nosso compromisso para 2020 continua sendo uma meta ambiciosa. Continuamos fortalecendo as sólidas bases que já implantamos. Por meio da inovação e do desenvolvimento de projetos de redução de carbono com abordagem ascendente, compartilharemos melhores práticas para garantir que criemos eficiência em nossa logística de transporte.

Estamos cada vez mais usando meios de transporte não rodoviários, como ferrovias e transporte marítimo, para transportar mercadorias. Para os trajetos ainda realizados por rodovia, estamos investindo no gás natural liquefeito (GNL) como combustível alternativo e conduzindo testes em todo o mundo. Em 2015, estabelecemos um consórcio, conduzido pela Unilever de empresas e prestadores de serviços de logística terceirizados na Europa, o Connect2LNG, cujo intuito é construir cinco estações de abastecimento de GNL em apoio ao nosso compromisso de usar combustíveis alternativos no futuro.

1 A melhoria acumulada desde 2010 é medida em nossos 14 principais países; a melhoria anual é medida em mais de 50 países.

REDUZIR AS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA REFRIGERAÇÃO

Como a maior produtora de sorvetes do mundo, aceleraremos a implementação de freezers que usam agentes refrigerantes ecológicos (hidrocarboneto). No lançamento de nosso Plano em novembro de 2010, já tínhamos comprado 450.000 unidades com o agente refrigerante novo.

  • Até 2015, compraremos mais 850.000 unidades.

Em 2013, ultrapassamos nossa meta de comprar 850.000 freezers ecológicos, alcançando um total de aproximadamente 1,5 milhão de unidades.

Em 2015, nosso total subiu para cerca de 2 milhões de freezers de hidrocarboneto.

A NOSSA PERSPECTIVA

Os agentes refrigerantes ecológicos de hidrocarboneto (HC) que usamos em nossos freezers têm um potencial insignificante para o aquecimento global, em comparação aos hidrofluorocarbonetos (HFCs) usados anteriormente. Também são aproximadamente 10% mais eficientes em termos energéticos. Até o final de 2015, compramos aproximadamente 2 milhões de freezers que utilizam refrigerantes naturais.

Continuamos implantando nossos freezers ecológicos de HC para aumentar a eficiência energética dos nossos freezers. Em 2015, começamos a implantar as mais modernas tecnologias, capazes de reduzir o consumo de energia em mais de 50% (em relação à nossa referência de 2008). Também estamos trabalhando na próxima geração de freezers capazes de uma economia de energia de até 60% e pesquisando o uso de energia renovável, como a energia solar, para alimentar nossos freezers. 

Trabalhamos em conjunto com o setor para promover freezers mais ecológicos. Por meio da Refrigerants, Naturally! defendemos o fim do uso dos perigosos HFCs em muitos tipos de freezers comuns na Europa, o que entrará em vigor a partir de 2022.

REDUZIR O CONSUMO DE ENERGIA EM NOSSOS ESCRITÓRIOS

Até 2020, reduziremos à metade a energia (kWh) comprada por ocupante nos escritórios nos nossos 21 principais países, em comparação a 2010.

Redução de 27% na energia (kWh) comprada por ocupante desde 2010.

A NOSSA PERSPECTIVA

Estabelecemos uma desafiadora meta para 2020, que é reduzir o consumo de energia em nossas unidades pertencentes ao escopo. O alcance dessa meta exigirá uma combinação de melhorias na eficiência da unidade local, maior ocupação dos escritórios e foco nos locais com maior consumo de energia. Desde 2010, reduzimos a compra de energia por ocupante em 27%. 

Em 2015, alcançamos uma redução de 6% no consumo de energia por ocupante. Os fatores contribuintes incluíram a mudança de vários escritórios para instalações mais eficientes, a contínua eficácia da nossa ferramenta de gerenciamento de energia de PCs e a mudança de petróleo para gás em uma das nossas unidades com consumo mais intenso de energia.

REDUZIR AS VIAGENS DE FUNCIONÁRIOS

Estamos investindo em instalações avançadas de videoconferência para facilitar as comunicações e reduzir as viagens de nossos funcionários. Até 2011, esta rede atenderá a mais de 30 países.

Foram atendidos 54 países até o final de 2011.

A NOSSA PERSPECTIVA

Até o final de 2011, havíamos ultrapassado nossa meta de implantar instalações avançadas de videoconferência em mais de 30 países.

Nosso avançado sistema de videoconferência, o Video Presence, é usado para mais de 950 reuniões por mês nos escritórios da Unilever do mundo inteiro. Isso está reduzindo significativamente nossa necessidade de viajar para fazer reuniões e, consequentemente, nossas emissões de CO2. Para a empresa, isso traz claros benefícios como economia de custo e tempo; para os funcionários, reduz-se a necessidade de cansativas viagens. 

Visando reduzir ainda mais o impacto que as viagens de funcionários causam na emissão de gases do efeito estufa, no momento em que os funcionários usam nosso sistema de reserva de viagens para reservar voos, exibimos mensagens sobre os benefícios de usar o Video Presence. Isso incentiva os funcionários a viajar somente quando necessário.

Key

  • Alcançado
  • Dentro do Prazo
  • Fora do Prazo
  • Do objetivo alcançado
Voltar ao topo