1930 - 1939: Superando desafios

A década de 30 foi difícil. Começa com a Grande Depressão e termina com uma nova guerra mundial.

Vintage advert for Lux Flakes - 'Undisolved Soap Ruins Undies'

Essas condições fazem com que as empresas recém-fundidas precisem racionalizar ainda mais rapidamente. Portanto, a Unilever corta suas 50 empresas de fabricação de sabão no Reino Unido para se concentrar apenas em menos marcas, enquanto os governos na Europa continental protegem sua produção de manteiga local através de impostos, impostos especiais de consumo e limites sobre produção. O resultado final é que as fábricas de margarina e gordura comestível da Unilever sejam cortadas de dez para cinco.

Mas apesar da recessão, os negócios continuam a expandir: parte através do desenvolvimento de novos produtos em seus mercados estabelecidos e parte pela aquisição de empresas de categorias emergentes, como alimentos congelados e de conveniência.

Destaques

1930

Em 1º de janeiro, a Unilever é estabelecida oficialmente.

Procter & Gamble entra no mercado do Reino Unido com a aquisição da Thomas Hedley Ltd of Newcastle e se torna uma das maiores rivais da Unilever.

Metade da década de 30

A produção de sabão passa de sabões em pedra para flocos e pó, destinados a um trabalho de limpeza doméstica mais leve. Isso leva a uma expansão no mercado de sabão.

1935

Vitaminas A e D são adicionadas à margarina, a níveis equivalentes aos encontrados na manteiga.

1938

Depois de uma campanha para melhorar a percepção do público sobre a margarina e o crescimento de marcas enriquecidas com vitaminas, incluindo Stork no Reino Unido e Blue Band na Holanda, as vendas de margarina sobem a níveis próximos aos máximos de 1929.

Final da década de 30

Com o advento da 2ª Guerra Mundial, controles de comércio e câmbio congelado tornam o comércio internacional cada vez mais complexo. Na Alemanha, a Unilever não pode retirar seus lucros do país e precisa investir em empresas não relacionadas a óleos e gorduras, incluindo serviços públicos.

Voltar ao topo