Cooperativas, o que são e como funcionam?

Cooperativas prestam serviços para seus associados.

União voluntária

O cooperativismo reúne uma série de conceitos, o que torna difícil resumi-los. Mas o Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – relaciona os principais elementos encontrados na maioria deles:

“Cooperativa é uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de um empreendimento de propriedade coletiva e democraticamente gerido”.

Dessa forma, a cooperativa pode ser entendida como uma “empresa” que trabalha para seus cooperados. A maioria coloca os serviços e produtos de seus associados no mercado de uma forma mais vantajosa do que se eles o fizessem individualmente.

Mas existem aquelas que atendem a outras necessidades de um grupo. Como as constituídas por pessoas que precisam ser tuteladas ou as de pais e alunos que se uniram para enfrentar os problemas nos ensinos público e privado, por exemplo.

Cooperativismo surgiu no Brasil no século 19

A primeira cooperativa que se tem notícia no Brasil surgiu no século 19, em Ouro Preto (MG). Era a Sociedade Cooperativa Econômica dos Funcionários Públicos de Ouro Preto, criada em 1889.

Depois, o movimento espalhou-se no próprio estado de Minas Gerais, além de Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. No início do século 20, foram constituídas as primeiras cooperativas de crédito e agropecuárias.

Em 1971, foi instituída a lei 5.5764 para disciplinar a criação de cooperativas. Porém, a Lei interferia no funcionamento delas e restringia a autonomia dos associados. Mas isso foi solucionado na Constituição de 1988, que proibiu a intervenção do Estado.

Princípios cooperativistas

As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, e a adesão é voluntária e aberta para pessoas aptas a utilizar seus serviços e assumir responsabilidades. Elas são controladas por seus associados de forma democrática.

Seus membros contribuem de forma equitativa para o capital e os benefícios se dão na proporção dos negócios que eles realizam por meio delas. Além disso, a educação dos associados é promovida visando o progresso de suas cooperativas.

Elas trabalham para o desenvolvimento sustentado de suas comunidades. E, para fortalecer o movimento cooperativista, podem associar-se localmente, regionalmente e até internacionalmente, além de divulgar para o público as vantagens da cooperação.

Os diferentes tipos de cooperativas

Existem diversos ramos de cooperativas, dependendo de serviço ou produto que ofereçam para o mercado visando trazer mais benefícios para seus associados do que eles teriam individualmente. Estão agrupadas em: cooperativas agropecuárias, de infraestrutura, de mineração, de saúde e de produção (de bens ou serviços).

Mas também existem as que se dedicam a necessidades específicas de seus membros. São as cooperativas de crédito, educacionais e de habitação. Além das de consumo, que funcionam como supermercados para seus membros, e as especiais, formadas por pessoas que precisam ser tuteladas.

Além dessas, as cooperativas de trabalho são uma modalidade que vem despontando como opção para gerar, manter ou recuperar postos de trabalho. Exemplos desse tipo são as que reúnem pessoas nas atividades de artesanato, consultoria, auditoria, costura, informática e segurança.